BRASIL: LÍDER DO GOVERNO BOLSONARO NO CONGRESSO DIZ QUAL A CHANCE DE O TSE CEDER ÀS PRESSÕES POR ANULAÇÃO DO RESULTADO ELEITORAL


O líder do governo na Câmara Federal, deputado Ricardo Barros (PP-PR), disse que não espera uma decisão favorável do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ao presidente Jair Bolsonaro (PL) na representação protocolada na terça-feira 22 pedindo a anulação de votos em urnas utilizadas no segundo turno das eleições.

Depois de receber a representação, o ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE, deu prazo de 24 horas para a coligação aditar a petição inicial e acrescentar um pedido envolvendo o primeiro turno.

“A expectativa de que o TSE dê qualquer decisão a favor de Bolsonaro é zero. O TSE tomou lado contra ele, claramente, nas suas resoluções, nas suas decisões durante a campanha, fez tudo que pode para prejudicar Bolsonaro”, disse o líder do governo em entrevista à CNN na terça-feira.

Barros acrescentou que, embora não acredite em decisão favorável, considera importante a manifestação, para “questionar a conduta da Justiça Eleitoral”, não apenas quanto às urnas, mas também em relação ao “ativismo político”. “Não estou aqui questionando o resultado das eleições, mas questionar a conduta da Justiça Eleitoral eu acho muito importante para o Brasil, porque esse ativismo político a gente não pode ver repetido nunca mais”, disse Barros, à emissora.

“Como eu disse, eu não tenho nenhuma expectativa de que o TSE dê qualquer decisão favorável ao Bolsonaro. Ele fez campanha aberta contra o presidente Bolsonaro o tempo todo. As decisões eram visivelmente para prejudicar a campanha”, declarou. “Isso também deve ser questionado. Eu gostaria que o Partido Liberal questionasse essas decisões e resoluções — inúmeras — que foram feitas totalmente sem fundamentação pelo presidente Alexandre Moraes.”

Questionado sobre o despacho de Moraes, que pede para a coligação se manifestar acerca do primeiro turno, Barros disse que o TSE tem autonomia para eventualmente estender a investigação para o primeiro turno. “O que o partido está questionando tem de ser respondido pelo TSE. O tribunal não tem de perguntar ‘mais isso ou mais aquilo’. Ele tem de decidir sobre o que foi perguntado. Se o tribunal quiser estender essa investigação sobre o primeiro turno, ele tem autonomia para fazer isso”, afirmou, na entrevista à CNN.

Fonte: Revista Oeste.


Clique aqui para ter acesso ao livro O Brasil e a pandemia de absurdos, escrito por juristas, economistas, jornalistas e profissionais da saúde conservadores sobre os absurdos praticados durante a pandemia de Covid-19, como tiranias, campanhas anticientíficas, atos de corrupção, inconstitucionalidades por notáveis autoridades, fraudes e muito mais.

Aviso: nós do blog Pensando Direita estamos sendo perseguidos por políticos e seus assessores nos grupos de WhatsApp! Garanta acesso ao nosso conteúdo clicando aqui, para entrar no grupo do WhatsApp onde você receberá todas as nossas matérias, notícias e artigos em primeira mão (apenas ADMs enviam mensagens).

Comentários