MUNDO: China confina 600 mil pessoas ao redor da maior fábrica de iPhones do mundo


As autoridades chinesas impuseram nesta quarta-feira, 2, um confinamento a cerca de 600 mil pessoas na área em torno da maior fábrica de iPhones do mundo. Dezenas de trabalhadores fugiram por medo das restrições, em razão de um surto de covid no local.

A Zona Econômica do Aeroporto de Zhengzhou, na Província Henan, no leste da China, onde está localizada a fábrica do gigante de tecnologia taiwanês Foxconn, iniciou nesta quarta-feira sete dias de confinamento, segundo um comunicado oficial.

A fábrica, que emprega mais de 200 mil pessoas, está fechada desde meados de outubro, depois de um surto de covid. O local fica cerca de 600 quilômetros a sudoeste de Pequim. Segundo a Foxconn, a fábrica opera em “circuito fechado”.

Para manter os funcionários, a Foxconn anunciou na terça-feira que os trabalhadores receberão um bônus diário de 400 iuanes (US$ 55) por se apresentar ao trabalho, quatro vezes o valor do bônus anterior.

A Foxconn admitiu que enfrenta uma “longa batalha” contra a covid, mas não especificou o número de funcionários que testaram positivo ou que estão confinados na sua fábrica de Zhengzhou.

Para não ser mais tão dependente da China, a Apple anunciou em setembro que terceirizaria parte de sua produção para a Índia, onde cerca de 3% dos iPhones já são fabricados.

Na semana passada, surgiram imagens nas redes sociais chinesas de trabalhadores fugindo da fábrica, alguns pulando uma cerca e voltando para casa a pé depois de percorrer longas distâncias.

Com o confinamento na região, os mais de 600 mil habitantes “não poderão sair de casa”, exceto por razões imperativas, como a realização de testes de covid e o tratamento médico de emergência. As autoridades também disseram que apenas veículos médicos ou que transportem bens essenciais serão autorizados a transitar. E alertaram para o fato de que seriam “intransigentes com qualquer tipo de violação”.

A China é a última grande economia do mundo a manter uma estratégia de covid zero, que consiste em eliminar a circulação do vírus por meio de confinamentos, testes em massa e longas quarentenas. Nesta quarta-feira, a China registrou mais de 2 mil novas infecções pelo terceiro dia consecutivo, levando a novas restrições.

Fonte: Revista Oeste.

Clique aqui para ter acesso ao livro O Brasil e a pandemia de absurdos, escrito por juristas, economistas, jornalistas e profissionais da saúde conservadores sobre os absurdos praticados durante a pandemia de Covid-19, como tiranias, campanhas anticientíficas, atos de corrupção, inconstitucionalidades por notáveis autoridades, fraudes e muito mais.

Aviso: nós do blog Pensando Direita estamos sendo perseguidos por políticos e seus assessores nos grupos de WhatsApp! Garanta acesso ao nosso conteúdo clicando aqui, para entrar no grupo do WhatsApp onde você receberá todas as nossas matérias, notícias e artigos em primeira mão (apenas ADMs enviam mensagens).

Comentários