Brasil: Aécio Neves explica por que se absteve na votação da PEC do voto auditável e deixa transparecer motivação de grande parte da oposição


O deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG), que foi candidato a presidente da república em 2014, sendo, segundo a apuração secreta do Tribunal Superior Eleitoral, derrotado por Dilma Roussef (PT) no segundo turno, explicou por que se absteve da votação da Proposta de Emenda Constitucional do voto auditável no plenário da Câmara:

"Sou a favor do voto auditável, como fui no passado, mas o presidente Jair Bolsonaro inviabilizou aprovarmos qualquer avanço agora. [...] Minha posição é a de que pretendo trazer de volta esse tema após 2022. Meu voto significa: nem a favor agora, já que significaria dar uma vitória a Bolsonaro, e nem contra, como se as urnas não pudessem evoluir.", disse o tucano.

Após a eleição de 2014, o partido de Aécio pediu auditoria da apuração, que não pôde ser feita pelo fato de haver apenas o mecanismo eletrônico de contagem dos votos. Após essa frustração, os políticos do PSDB passaram a militar pelo voto impresso (auditável), em paralelo à urna eletrônica, como proposto na PEC mais recente reprovada na Câmara.


Aviso: nós do blog Pensando Direita estamos sendo perseguidos por políticos e seus assessores nos grupos de WhatsApp!  Garanta acesso ao nosso conteúdo clicando aqui, para entrar no grupo do WhatsApp onde você receberá todas as nossas matérias, notícias e artigos em primeira mão (apenas ADMs enviam mensagens).

Comentários

Postar um comentário

Cadastre seu e-mail na barra "seguir" para que você possa receber nossos artigos em sua caixa de entrada e nos acompanhe nas redes sociais.