BRASIL: SENADOR IZALCI ANALISA ANDAMENTO DA PEC DAS DROGAS

VÍDEO: GLEISI HOFFMANN TENTA INTIMIDAR COLEGAS COM INQUÉRITO DE MORAES, MAS É REFUTADA EM CPMI



A reunião da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga o Movimento Sem Terra (MST) foi palco de um acirrado confronto verbal entre parlamentares. A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, provocou controvérsia ao empregar um padrão político ambíguo, rejeitando o princípio de presunção de inocência ao acusar colegas de estarem sob investigação devido às suas posições políticas.

Os deputados André Fernandes e Filipe Barros responderam de maneira contundente, lembrando as acusações de corrupção envolvendo membros do Partido dos Trabalhadores (PT) e rechaçando as alegações de Gleisi. Fernandes apontou a ironia ao destacar sua suposta culpa em relação aos eventos de 8 de janeiro, enquanto o general G. Dias, conhecido como "general do Lula", estava presente prestando depoimento à CPI.

Fernandes também enfatizou que o inquérito mencionado por Gleisi foi arquivado pela Procuradoria-Geral da República, reiterando sua inocência. Por sua vez, o deputado Filipe Barros questionou sua inclusão no inquérito das fake news, criticando a legalidade do processo e exigindo que Gleisi escolha suas palavras com mais cuidado ao mencionar seu nome. O confronto evidenciou as discrepâncias no padrão de presunção de inocência no cenário político.

Aviso: nós do blog Pensando Direita estamos sendo perseguidos por políticos e seus assessores nos grupos de WhatsApp! Garanta acesso ao nosso conteúdo clicando aqui, para entrar no grupo do WhatsApp onde você receberá todas as nossas matérias, notícias e artigos em primeira mão (apenas ADMs enviam mensagens).

Clique aqui para ter acesso ao livro O Brasil e a pandemia de absurdos, escrito por juristas, economistas, jornalistas e profissionais da saúde conservadores sobre os absurdos praticados durante a pandemia de Covid-19, como tiranias, campanhas anticientíficas, atos de corrupção, inconstitucionalidades por notáveis autoridades, fraudes e muito mais.

Comentários