BRASIL: STF FORMA MAIORIA PARA NOVO ENTENDIMENTO SOBRE FORO PRIVILEGIADO

VÍDEO: ANATEL INVESTIGA POSSÍVEL ESPIONAGEM EM TELEFONES DE BRASILEIROS

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) abriu uma investigação sobre o uso, pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), de um programa israelense com a capacidade de coletar dados da rede de telefonia. Esse programa foi adquirido no final do governo Temer e supostamente utilizado indevidamente para monitorar adversários políticos do ex-presidente Jair Bolsonaro. Denunciado pela Polícia Federal durante uma investigação, o programa, chamado LTE Snif, foi mencionado em uma decisão do Ministro Alexandre de Moraes em relação ao ex-diretor da Abin, Alexandre Ramagem. A Anatel instaurou o processo de investigação, solicitou informações à Abin e alertou as operadoras para monitorarem o programa.

Durante a cobertura do caso, os jornalistas destacam a gravidade das revelações sobre uma suposta Abin paralela, responsável por monitorar a geolocalização de adversários políticos, jornalistas e cidadãos sem mandado judicial. A situação é vista como parte de uma série de revelações prejudiciais à imagem de órgãos públicos, evidenciando a captura e utilização política de agências governamentais para interesses próprios, à margem da lei. Observa-se uma preocupação com a independência e a integridade das instituições do Estado diante de práticas questionáveis.

Os comentaristas ressaltam a necessidade de uma análise técnica e isenta por parte do judiciário e dos órgãos de investigação para identificar irregularidades e propor melhorias nas organizações de estado, separando o aspecto ideológico do governo em exercício da proteção do estado brasileiro contra possíveis práticas irregulares ou autoritárias.

Garanta acesso ao nosso conteúdo clicando aqui, para entrar no grupo do WhatsApp onde você receberá todas as nossas matérias, notícias e artigos em primeira mão (apenas ADMs enviam mensagens).

Clique aqui para ter acesso ao livro O Brasil e a pandemia de absurdos, escrito por juristas, economistas, jornalistas e profissionais da saúde conservadores sobre os absurdos praticados durante a pandemia de Covid-19, como tiranias, campanhas anticientíficas, atos de corrupção, inconstitucionalidades por notáveis autoridades, fraudes e muito mais.

Comentários