BRASIL: STF FORMA MAIORIA PARA NOVO ENTENDIMENTO SOBRE FORO PRIVILEGIADO

VÍDEO: CANDIDATO DE DIREITA A PRIMEIRO-MINISTRO DE PORTUGAL PROMETE BARRAR LULA E FALA EM “CADEIA” PARA O PETISTA

Na reta final da campanha para as eleições em Portugal, o líder do partido ultradireita, André Ventura, fez uma declaração polêmica, ameaçando proibir a entrada do presidente Lula no país. Ventura, cuja candidatura conta com o apoio público do ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro, afirmou que, se eleito primeiro-ministro, não permitirá a presença de Lula nas comemorações dos 50 anos da Revolução dos Cravos. Além disso, o político ultradireitista ameaçou prender o chefe de estado brasileiro caso insista na visita.

As declarações de Ventura, feitas durante um comício, destacam a tensão ideológica e polarização presentes na campanha portuguesa. As ameaças de proibir a entrada e prender Lula revelam uma postura radical por parte do líder ultradireitista, aumentando a incerteza sobre as relações internacionais de Portugal em um possível governo liderado por ele.

No contexto das eleições em Portugal, André Ventura, líder do partido ultradireita, causou polêmica ao afirmar que, se eleito primeiro-ministro, proibirá a entrada do presidente Lula no país durante as celebrações dos 50 anos da Revolução dos Cravos. O político, apoiado por Jair Bolsonaro, não apenas expressou sua oposição ao líder brasileiro, mas também ameaçou prender Lula caso insista na visita. Essas declarações inflamadas ressaltam as tensões ideológicas e a polarização que marcam a campanha em Portugal, elevando a incerteza sobre as possíveis mudanças nas relações internacionais sob um governo liderado por Ventura.

Garanta acesso ao nosso conteúdo clicando aqui, para entrar no grupo do WhatsApp onde você receberá todas as nossas matérias, notícias e artigos em primeira mão (apenas ADMs enviam mensagens).

Clique aqui para ter acesso ao livro O Brasil e a pandemia de absurdos, escrito por juristas, economistas, jornalistas e profissionais da saúde conservadores sobre os absurdos praticados durante a pandemia de Covid-19, como tiranias, campanhas anticientíficas, atos de corrupção, inconstitucionalidades por notáveis autoridades, fraudes e muito mais.

Comentários