BRASIL: AVIÃO FAZ POUSO SURPREENDENTE EM RODOVIA DE SP

VÍDEO: MADURO TIRA TV ALEMÃ DO AR APÓS REPORTAGEM CONTRA DITADURA VENEZUELANA

Na Venezuela, Nicolás Maduro tomou uma medida autoritária ao retirar do ar a emissora de notícias alemã "Deutsche Welle". O ditador justificou sua decisão rotulando o canal como "um veículo nazista". A censura ocorreu após a transmissão de uma reportagem que expôs casos de corrupção envolvendo políticos ligados ao regime chavista e ao crime organizado. O vídeo descreveu a Venezuela como o segundo país mais corrupto do mundo. Maduro acusou a "Deutsche Welle" e outras mídias internacionais de conduzirem uma campanha contra venezuelanos no exterior e seu governo. O Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Imprensa denunciou a censura, destacando a contínua restrição à liberdade de imprensa no país.

O regime chavista, liderado por Maduro, é conhecido por sua hostilidade à imprensa independente. A retirada da "Deutsche Welle" do ar é mais um episódio de repressão à liberdade de expressão na Venezuela, que já testemunhou o fechamento de mais de 200 jornais, estações de rádio e canais de televisão durante os governos chavistas. O ato de censura reforça a narrativa de uma ditadura que tenta silenciar vozes críticas e controlar a informação no país sul-americano.

A acusação infundada de Maduro ao rotular a emissora alemã como "nazista" revela uma estratégia desgastada de descredibilizar críticas e desviar a atenção dos problemas reais enfrentados pela Venezuela. A comunidade internacional e defensores da liberdade de imprensa condenam mais esse ataque à democracia, ressaltando a importância de preservar os princípios fundamentais da liberdade de expressão e o papel essencial da imprensa independente na sociedade.

Garanta acesso ao nosso conteúdo clicando aqui, para entrar no grupo do WhatsApp onde você receberá todas as nossas matérias, notícias e artigos em primeira mão (apenas ADMs enviam mensagens).

Clique aqui para ter acesso ao livro O Brasil e a pandemia de absurdos, escrito por juristas, economistas, jornalistas e profissionais da saúde conservadores sobre os absurdos praticados durante a pandemia de Covid-19, como tiranias, campanhas anticientíficas, atos de corrupção, inconstitucionalidades por notáveis autoridades, fraudes e muito mais.

Comentários