BRASIL: PGR DENUNCIA CARLA ZAMBELLI POR “INVASÃO”

VÍDEO: PARTIDO DE BOLSONARO CONQUISTA COMANDO DE COMISSÃO IMPORTANTE NA CÂMARA

Na terça-feira, o Presidente da Câmara, Artur Lira, anunciou a distribuição das presidências das comissões especiais aos partidos, mantendo o acordo que concede ao partido de Jair Bolsonaro, o PL, o comando da Comissão de Constituição e Justiça. A indicação mais cogitada para liderar essa comissão é Caroline de Tony, do partido União Brasil, liderado por Ronaldo Caiado, que se coloca como possível presidenciável em 2026. O partido abriu mão das comissões de Educação e Minas e Energia em favor da de Segurança Pública, anteriormente sob o controle do PL. Essa movimentação representa uma dança das cadeiras nas comissões, destacando a importância e o poder associados a essas posições.

As mudanças nas presidências das comissões especiais na Câmara dos Deputados seguem uma lógica de prestígio, visibilidade e poder, uma vez que essas posições colocam os parlamentares em evidência. Com 513 deputados, destacar-se no cenário político pode ser desafiador, e a liderança em partidos, no governo, ou em comissões estratégicas, como CPIs, é fundamental para consolidar influência e protagonismo no ambiente legislativo.

A recente distribuição das presidências das comissões especiais na Câmara dos Deputados, conduzida pelo Presidente Artur Lira, destaca uma movimentação estratégica entre os partidos. O comando da Comissão de Constituição e Justiça pelo PL de Jair Bolsonaro e a renúncia de comissões importantes pelo partido União Brasil, liderado por Ronaldo Caiado, evidenciam a busca por prestígio, visibilidade e poder no complexo cenário político brasileiro. Essa dança das cadeiras anual reflete a importância dessas posições na construção de lideranças e na condução de pautas estratégicas no âmbito legislativo.

Garanta acesso ao nosso conteúdo clicando aqui, para entrar no grupo do WhatsApp onde você receberá todas as nossas matérias, notícias e artigos em primeira mão (apenas ADMs enviam mensagens).

Clique aqui para ter acesso ao livro O Brasil e a pandemia de absurdos, escrito por juristas, economistas, jornalistas e profissionais da saúde conservadores sobre os absurdos praticados durante a pandemia de Covid-19, como tiranias, campanhas anticientíficas, atos de corrupção, inconstitucionalidades por notáveis autoridades, fraudes e muito mais.

Comentários