BRASIL: TARCÍSIO DE FREITAS BATE MARTELO EM LEILÃO DA B3

BRASIL: CONGRESSO CORRE PARA ANALISAR PAURA CARA AO GOVERNO LULA ANTES DO FIM DO ANO

Às vésperas do encerramento do ano legislativo, os parlamentares brasileiros direcionam suas atenções para a pauta econômica, buscando medidas prioritárias para o Ministério da Fazenda. Projetos em análise podem somar até R$46 bilhões em receita, contribuindo para a meta do governo de zerar o déficit público em 2024.

Confira detalhes no vídeo:

Nesta semana, o deputado Luís Fernando Faria, relator da Medida Provisória sobre a subvenção do ICMS, pode apresentar seu parecer, limitando benefícios de ICMS para empresas no pagamento de tributos federais. Outros pontos em destaque incluem o projeto de apostas esportivas, com estimativa conservadora de R$1 bilhão de arrecadação em 2024, e a votação do parecer sobre a lei de diretrizes orçamentárias. O Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, concentra esforços para garantir a aprovação dessas medidas, visando o objetivo de um rombo zero nas contas públicas em 2024.

Apesar da pressão pela aprovação, o deputado Lindberg Faria criticou a meta de zerar o rombo, argumentando que, em cenários de baixo crescimento econômico, o déficit é essencial para garantir investimentos e estimular o crescimento. A disputa de ideias sobre a pauta econômica continua na reta final do ano no Congresso Nacional.

Aviso: nós do blog Pensando Direita estamos sendo perseguidos por políticos e seus assessores nos grupos de WhatsApp! Garanta acesso ao nosso conteúdo clicando aqui, para entrar no grupo do WhatsApp onde você receberá todas as nossas matérias, notícias e artigos em primeira mão (apenas ADMs enviam mensagens).

Clique aqui para ter acesso ao livro O Brasil e a pandemia de absurdos, escrito por juristas, economistas, jornalistas e profissionais da saúde conservadores sobre os absurdos praticados durante a pandemia de Covid-19, como tiranias, campanhas anticientíficas, atos de corrupção, inconstitucionalidades por notáveis autoridades, fraudes e muito mais.


Comentários