BRASIL: CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA SE PRONUNCIA SOBRE ABORTO E CONTRARIA ESQUERDA

O presidente do CFM (Conselho Federal de Medicina), José Hiran Gallo, provocou debate ao afirmar, na segunda-feira (17 de junho de 2024), que a autonomia da mulher não deve prevalecer sobre o dever de proteger a vida. Em uma sessão convocada pelo Senado Federal para discutir a assistolia fetal, Gallo defendeu a resolução 2.378/2024 do CFM, que proibia médicos de realizar abortos após 22 semanas em casos de estupro. Essa medida foi suspensa pelo STF em maio deste ano.

Confira detalhes no vídeo:


Durante o debate, Gallo questionou os benefícios e malefícios da assistolia fetal em gestações avançadas, argumentando que o direito à autonomia da mulher deve ser equilibrado com o dever constitucional de proteger a vida. Suas declarações contrariaram posicionamentos da esquerda política brasileira.

O pronunciamento de Gallo amplia o diálogo sobre questões éticas e legais relacionadas ao aborto tardio e seus impactos na saúde pública e direitos individuais das mulheres.

Clique aqui para ter acesso ao livro O Brasil e a pandemia de absurdos, escrito por juristas, economistas, jornalistas e profissionais da saúde conservadores sobre os absurdos praticados durante a pandemia de Covid-19, como tiranias, campanhas anticientíficas, atos de corrupção, inconstitucionalidades por notáveis autoridades, fraudes e muito mais.

Garanta acesso ao nosso conteúdo clicando aqui, para entrar no grupo do WhatsApp onde você receberá todas as nossas matérias, notícias e artigos em primeira mão (apenas ADMs enviam mensagens).

Comentários